segunda-feira, 1 de novembro de 2010

vejo flores em você.

_a chuva cai impreterivelmente em todos os lugares. nada é mais importante nesse momento do que olhar os pingos escorrendo pelo vidro embaçado: o meu calor desgela as coisas frias.
calor que vem desse verão que chega me suando o gargalo. que vem das flores do jambeiro que mora em frente à minha janela. calor que vem de um sorriso, de um olhar, de um ato, de afeto.
_tanto calor cabe nas coisas pequenas, quando sorrimos com os olhos e dizemos "sim" com o coração.
brasileiros, vivos de expressão, fundidos no sol escaldante, acalorados em seus ardores e amores, em sua vida e em sua poesia: parabéns por sobreviverem ao verão, tendo dentro de si chuvas e alagamentos, terremotos e tormentos.
_ pois o frio nada mais é do que a ausência do calor.

4 comentários:

Leonardo Xavier disse...

Confesso que o título me fez lembrar do Ira, mas o texto me lembrou uma música do Lobão: Uma Delicada Forma de Calor. Conheces ?

Nina disse...

Adorei o post querida!

Paula disse...

Muito bom! E nasce mais uma jovem escritora! hehehe!
bjs

Leandro Luz disse...

Também me lembrei do Ira!
;p

Gostei do texto.
;*